quinta-feira, 1 de outubro de 2009

CAMINHADA ASTRONÓMICA

Há pouco mais de 1 mês, ocorreu em Figueira de Castelo Rodrigo uma acção de observação nocturna, na sequência do programa Astronomia no Verão.

Estive presente, e não pude deixar de contemplar quão maravilhoso o céu estava nessa noite, pejado de Estrelas, com Júpiter a marcar a sua presença de forma incontornável e a Via Láctea como pano de fundo de um dos mais belos espectáculos que podemos presenciar: uma noite estrelada.

À medida que a nossa vista se adapta ao escuro, as Estrelas parece que nascem, e os pontinhos brilhantes, resplandecentes de energia, surgem vindos do nada, como se nos viessem cumprimentar e decidissem ficar a acompanhar a nossa noite. E são ciumentos! Se olharmos para outra luz, a do portátil, por exemplo, eles desaparecem durante uns momentos se olharmos para cima. Depois voltam a aparecer...

Deixo aqui uma foto da Via Láctea, para delícia do felizardo que cá vier ver. Ainda assim, nada como vê-La ao vivo!
Nos meus próximos posts, vou falar um pouco da minha experiência dessa noite, de como atingi plenamente os objectivos que talhei para essa noite, e de como fiquei mais rico como Homem. Uma das coisas boas de sermos Astrónomos Amadores (sim, sou muito pretensioso) é sabermos que sabemos pouco. Sabendo pouco, há muito para descobrir! À medida que formos descobrindo vamo-nos cultivando e percebendo que afinal há ainda mais para descobrir... aí já não seremos tão amadores, mas a bagagem que levamos permite-nos concluir que nunca saberemos o suficiente sobre o Espaço. E sempre que formos obtendo vitórias nas nossas incursões aos mistérios celestes, o nosso queixo vai continuar a cair, vamos continuar a sorrir como miúdos ao ver uma coisa nova, a emoção de aprender algo vai continuar a mexer connosco.

Viver Astronomia é assim, uma forma de vida que se pode exportar.

O Céu nunca se repete. O Céu de hoje não é igual ao Céu de amanhã, é apenas parecido... não o observar hoje é uma noite perdida. Pelo menos olhar para cima, dizer "olá" às Estrelas, quem sabe apanhar uma Estrela Cadente perdida e deixarmo-nos levar pela vontade de pedir um desejo. Onde está a Física ao pedir um desejo? Não está. É apenas confortante, e giro (porque não?).
O Céu nunca se repete. A nossa vida também não. Nunca mais vou viver o 1 de Outubro de 2009. O que não fiz hoje já vai ocupar tempo ao que poderia fazer amanhã. Tempo houve em que não pensei assim. Já passou. Agora estou bem, sinto-me bem, quero aproveitar esta excelente fase pessoal da minha vida para continuar a sentir-me bem. É que assim também faço bem aos outros...
O Céu nunca se repete. O meu Sol está agora no ponto de culminação, estou agora no meu meio-dia, e contudo vejo Estrelas no meu Céu. Fui abençoado por isso e não quero deixar de merecer essa bênção de Deus. Fui fiel à minha vida e fui preguiçoso durante a minha manhã. Mas esse tempo passou. Porquê?

Porque o Céu nunca se repete.

4 comentários:

Nádia disse...

Tinha saudades destes teus textos semi-poéticos, de que eu tanto gosto!
Gosto mesmo muito de te ver assim tão bem.. :)

(A foto da Via Láctea é espectacular, mas concordo que não há nada como vê-la ao vivo! :))

Carlos Capela disse...

Sabes que só escrevo assim quando estou bem... quando não estou só sai merda... :S

Mas sim, estou muito bem! ;)

Mariangela Ghirotti disse...

Carlos
Quem vive com os olhos nas estrelas, tem dificuldades em manter os pés no chão. Para mantê-los, paga muito caro.
O preço é alto, barganhados a custo e pago com lágrimas.
Adorei a foto. Coloque de onde ela foi feita.

Carlos Capela disse...

Eu penso que manter os olhos nas Estrelas é compreender o chão que pisamos... Cosmos é Tudo.

Eu coloco imensas fotos que retiro da Net. Ainda não posso dedicar-me à Astrofotografia, que é uma arte que tenho certeza que iria adorar, mas que não é para todos.